quarta-feira, 4 de novembro de 2009

Portugal

A foto é da região do vale do rio Douro, onde é produzido o vinho do Porto. O lugar é considerado patrimônio da humanidade pela UNESCO; lá produzem vinho há mais de 2000 anos!

O vinho do Porto é mais doce e mais forte do que um vinho normal porque a fermentação do açúcar é interrompida pelo acréscimo de aguardente. O resultado é mais açúcar e mais álcool. Faziam isso no século XVII para exportar vinho para os ingleses sem que ele virasse vinagre no caminho, e hoje é um vinho famoso no mundo inteiro.

Não tenho muitas fotos porque minha câmera estragou (essa aí é emprestada do Matthieu), e ainda não revelei o filme da kodak descartável hehe!

Em comparação com a viagem do ano passado, que foi para o Marrocos, fica meu aviso aos navegantes: Portugal vale mais a pena! (enfim, é minha opinião...)

quarta-feira, 21 de outubro de 2009

Random


Um problema de incompatibilidade entre futebol e a França é a tradução da palavra gol: em francês, "but". Foneticamente falando a palavra atinge apenas uma colocação medíocre no ranking das expressões para se gritar com entusiasmo, e como resultado a comemoração de um gol diante de uma televisão francesa pode chegar a ser tão animada quanto uma coruja. hoo-hoo.

Imagem não relacinada. Talvez fracamente. Randomicamente.

quinta-feira, 15 de outubro de 2009

Café no Bôb


Que fique registrado que eu nunca vi nenhum episódio da série em questão.

Mas ouvi dizer que é boa.

terça-feira, 6 de outubro de 2009

O vendedor de galinhas


O post de hoje é dedicado à termodinâmica. Ok, eu já tive posts mais originais... mas a vida é assim mesmo, então azar o de quem não gosta de termodinâmica (em um chute conservador, eu diria 95% dos meus leitores, porque talvez o Gabriel-corretor-ortográfico não chegue a gostar mas acho que ele também não desgosta).

Aliás foi ele que me ensionou o macete. Você desenha a figurinha ali, e saem as 4 equações fundamentais:
dF = -SdT - pdV
dU = TdS - pdV
dH = TdS + Vdp
dG = -SdT + Vdp

Os potenciais F, U, H e G são a energia livre de Helmholtz, a energia interna, a entalpia e a energia livre de Gibbs, respectivamente. S, T, V e p são entropia, temperatura, volume e pressão. Se você não sabe o que é o "d", não precisa ler adiante.

(continua quando eu voltar da aula...)

Voltando, agradeço pelo comentário do leitor politécnico familiar com a técnica, efetivamente, e eu ia dar o devido crédito, esse macete é obra do professor Antunha do departamento de Engenharia Química da Poli. Não me deixam molhar o bico...

Para você que está lendo e que não tem a menor idéia do que está acontecendo (e é assim que as pessoas passam a não gostar de termodinâmica, por causa de explicações complicadas demais ou, como é o caso aqui, simples demais), ao invés se se perguntar que diabos é uma energia livre de Helmholtz, relaxe e pense em uma questão muito menos fundamental, mas que apesar de ser muito menos fundamental, é muito mais acalentadora: Como fazer para decorar o macete?

O grande professor Antunha previu uma resposta à questão, é claro. À segunda questão, é claro. Basta percorrer as letras em sentido horário, e formar uma frase. Vamos começar no S. Eis a frase do Antunha:

"Se Formos Prudentes Umas Tantas Horas Vamos Ganhar."

Pense em poker. Ou no que você quiser. Mas o fato é que eu já fui capaz de esquecer da frase. Essa parte do "umas tantas horas" não é muito intuitiva, ninguém usa uma construção dessas desde o século retrasado. Então eu trago algumas sugestões novas. A primeira é a dos urubus transgênicos homossexuais:

"Sendo Feitos de Penas, Urubus Transgênicos Homossexuais Vôam Graciosamente."

Inspirado pelo tema de aves, criei o vendedor malandro de galinhas:

"Sem Fixar Preço, Um Tunisiano Habilidoso Vendia Galinhas."

E para finalizar, caso algum professor de cursinho esteja interessado em algo mais apelativo para apresentar a seus alunos, proponho

"Seu Filho da PUT*! Homem Vagab*!" - Note que é necessário censurar a palavra PUTA, já que depois do T vem um H... foi o melhor que pude fazer.

É isso aí decore e divirta-se! No futuro, talvez, você saberá para que serve, mas isso é de menos.

sexta-feira, 2 de outubro de 2009

Energia nuclear

Por falar em energia nuclear, aí vai um mapa de 2007 que mostra a localização das usinas nucleares existentes no mundo.

Cada usina é algo como 1GW de potência na saída. O consumo mundial de energia (total, não só elétrica) é por volta de 2,3 kW por pessoa na média, então uma usina equivale a uma Florianópolis (~400 khab).

Eu digo uma Florianópolis, mas é apenas pelo número de habitantes. Se instalássemos uma usina nuclear de 1GW perto de Floripa, ela alimentaria muito mais do que só Floripa, por pelo menos 3 motivos:

1) Os 2,3 kW/pessoa se referem a todo o consumo de energia, incluindo por exemplo a gasolina (álcool, diesel) que a galera coloca no tanque do carro. A usina nuclear produz eletricidade, e o consumo de eletricidade corresponde a apenas um terço do que a gente usa (numa média global). A central alimentaria portanto 3 Florianópolis em eletricidade, mas elas ainda dependeriam de combustíveis para transporte e aquecimento.

2) A média 2,3 kW/pessoa é uma média mundial. O Brasil está abaixo, lá pelos 1,6 kW/pessoa, principalmente pelo fato de que precisamos menos de aquecimento, que é um gasto importante em lugares mais frios. Nos EUA o consumo médio passa de 10 kW/pessoa.

3) Tinha um terceiro ponto, mas que agora eu esqueci... vou jantar e outro dia eu venho desenvolver mais o assunto :)

PS. Você pode estar se perguntando quantas usinas nucleares existem no mundo. A resposta eu não sei, mas não deve ser difícil de achar, posto um outro dia. Mas eu sei que a produção mundial é por volta de 800 GW, o que me leva a crer que há por volta de 800 usinas. O nuclear corresponde a 5% dos 16 TW mundiais de energia consumida.

domingo, 27 de setembro de 2009

Onze de setembro


Vocês sabiam que o nine-eleven foi planejado e executado pelo próprio governo americano, sem qualquer intervenção de Al Quaeda ou similares, unicamente para colocar medo na população, justificar as guerras subsequentes no oriente médio e, no final das contas, enriquecer as pessoas que controlam o mundo?

www.zeitgeistmovie.com.

sexta-feira, 25 de setembro de 2009

Energia e meio ambiente


Esse é o nome de outra matéria que eu tenho, ontem foi a segunda aula.

A primeira aula me pareceu promissora: foi falado sobre o problema do petróleo e de outras fontes de energia fóssil e sobre o aquecimento global. A questão da escassez de urânio não foi tratada, o que eu notei, mas deixei passar, afinal era só a primeira aula e eu fiquei contente quando ele disse que não ia ter prova calculatória no final do semestre, o que é um grande passo adiante.

Hoje o passo adiante foi mais longe, com uma aula em que fizemos cálculos simples baseados em conceitos físicos simples para entender ordens de grandeza em energia e potência. O objetivo é ter uma intuição do que significam números como 1kWh, 1 joule ou 800kcal (energia alimentar de um hamburguer), a que corresponde uma barragem hidroelétrica ou uma central nuclear, etc. Perceba que esse é o tipo de conhecimento vital para um engenheiro e mesmo para um pesquisador, mesmo que seja um pesquisador de física fundamental, mas como na formação passada o foco sempre foi a matemática, dando pouca importância às aplicações numéricas, esse curso foge um pouco da parte algébrica para trabalhar a intuição.

Por outro lado a apresentação se mostrou estranhamente favorável à energia nuclear, não tocando em nenhum dos pontos delicados da tecnologia que fornece 79% da eletricidade consumida na França, e fazendo comparações esdrúxulas do tipo "1kWh equivale a 10 toneladas de água caindo de 40 metros ou, apenas, 10 mg de urânio". Não tem nada de errado em dar a informação, mas a forma como foi dito, e ainda completamente fora de contexto, somado a outros episódios, pareceu uma tentativa de lavagem cerebral a favor da política energética francesa.

terça-feira, 22 de setembro de 2009

Física da conversão e estocagem de energia

É o nome de uma das matérias desse semestre, a primeira aula foi hoje.

Quando escolhi essa matéria me lembrei das aulas na Poli sobre conversão eletromecânica, e eu estava esperando quem sabe mais detalhes sobre campos magnéticos e condutores elétricos interagindo em uma máquina com muito ferro e cobre e, tipicamente, que gira.

Ou seja, motores e geradores.

Não que eu não tenha visto o bastante sobre o assunto no Brasil, mas eu estimei que um tema como esse seria tratado de maneira completamente diferente na X, que é muito mais princípios de base do que engenharia em si. De certa forma eu estava certo, o assunto é tratado de maneira diferente aqui: ele não é tratado.

Então do que trata o curso, se a conversão não envolve bobinas de cobre, campos magnéticos e coisas girando? A resposta é que a questão da conversão é tratada de modo muito mais fundamental, como era de se esperar. Não é um curso de conversão eletromecânica. O objetivo é explorar meios de transformar potenciais químicos ou de temperatura ou de pressão em energia mecânica ou elétrica. De preferência elétrica. Mas enfim, o problema da conversão eletromecânica (turbinas, motores, geradores) em si é dado como resolvido e não se fala mais nisso. Aliás, a conversão de um gradiente de temperatura em energia com uma máquina térmica (ciclo de Carnot e aquela coisa toda) também é considerada uma tecnologia madura e não está no centro das atenções. As tecnologias a explorar são meios de transformar diretamente um gradiente de temperatura ou de pressão em eletricidade. No moving parts.

Eu já tinha me perguntado se isso não seria possível, mas como eu só perguntei a mim mesmo eu não conhecia a resposta. Outras pessoas já se perguntaram isso antes, como era de se esperar, e desenvolveram modelos, fizeram experiências e tiraram conclusões, não necessariamente nessa mesma ordem. E a resposta é que é possível.

Então, empolgado com a aula eu comecei a ler a apostila, que em um determinado momento dá as fórmulas de entropia para um gás perfeito e para radiação eletromagnética a volume, energia e número de partículas constante (V,U,N) e diz:

Exercício: N mols de gás perfeito estão em equilíbrio termodinâmico com radiação eletromagnética em um volume V, à partir de qual valor de N o conteúdo energético do volume V é dominado pela matéria, U_matéria=U_radiação? Ocorre o mesmo para a entropia? De que natureza são os conteúdos energéticos e entrópicos do universo, atualmente, no passado e no futuro?

Com isso vos deixo, tenham uma boa noite.

domingo, 20 de setembro de 2009

Scrabble


Ela foi embora hoje e as aulas que começaram de mansinho na quarta-feira voltam com força total amanhã. É o começo da troisième année.

Uma das atividades preferidas do verão foi jogar Scrabble... ela ganhou quase sempre, apesar do meu "vasto" conhecimento do vocabulário holandês... Tentamos jogar em português também, uma experiência frustrante quando o saco tem mais letras N do que tem A's...

Mas para compensar ganhei quase todas as canastras. =D

Em um assunto não relacionado, comprei ontem minha própria edição do guia do mochileiro das galáxias, a triologia de quatro livros completa compilada em um único volume paperback de menos de 300 gramas por 17,90 euros. Recomendo a todos.

domingo, 13 de setembro de 2009

Cubo Mágico

Bom dia. (de quem acorda após um longo período de sono... hehe!)

O disco rígido do meu computador (novo) deu pau, e tive que entrar em contato com a Dell, o que me deixou duas semanas sem computador. Não que seja uma boa desculpa para não escrever no blog (talvez eu não tivesse escrito muito de qualquer forma), mas é uma desculpa.

Anyway, o representante da Dell que respondeu o meu email tinha um nome indiano. Parece que é comum as empresas grandes fazerem esse tipo de outsourcing, e na Índia tem muitos atendentes de SAC (lembrei do filme Slumdog Millionaire). Me mandaram um disco rígido novo na garantia, que foi entregue pela UPS, que leva o quebrado de volta (a instalação ficou por minha conta, com instruções do site). Fisicamente não existe uma "loja da Dell" em Paris por exemplo.

É o tipo de coisa que faz pensar.

Mudando de assunto, o cubo mágico da foto foi presente da namo :) Terminei de resolver há uns três dias, me tomou quase um mês (desde a Itália ainda), mas apesar de ser um 4x4 ("Rubik's revenge") é possível usá-lo como 3x3, pois as arestas ficam juntas se você não se permitir movimentos que "cortem o cubo no meio".

Aliás, se você fizer apenas movimentos "que cortem o cubo no meio" torna-se um puzzle 2x2 (mais difícil do que parece!).

Enfim, resolvi o 3x3. O 4x4 é o próximo desafio. Foi a terceira vez que eu tentei resolver um desses, e a segunda vez que eu tentei usar alguma teoria para facilitar. Da última vez não tinha dado certo, mas dessa vez ajudou mesmo, por incrível que pareça! Na foto estão alguns rascunhos e matrizes que me ajudaram hehe! Cheguei até a pensar que as aulas do Colmez sobre representação de grupos teríam servido para alguma coisa. Lembrando melhor das ditas aulas, reconheço que não serviram para nada mesmo, mas o curso em si, como um todo, até serviu.

A foto é da webcam porque minha Canon parece que estragou :( Azar com eletrônicos ultimamente, mas espero que dê para arrumar, eu gosto daquela câmera.

Vou voltar a fazer o relatório de estágio agora, até em breve, eu acho!

domingo, 23 de agosto de 2009

Férias vazias

É de se notar que ultimamente ando pouco inspirado, peço desculpas aos meus leitores.

Como ainda não melhorei da fasciite plantar, para tentar uma recuperação durante essa segunda metade das férias em que eu não sou obrigado a fazer nada decidi não fazer nada. Fico em casa e caminho estritamente o mínimo necessário. Faço exercícios para os pés e gelo o dia todo entre um capítulo de um livro e algumas músicas na guitarra.

Com essa falta de estímulos acabo tendo pouco a dizer, mesmo tendo agora mais tempo para escrever aqui.

Com o começo das aulas dia 16 de Setembro talvez as coisas melhorem (para o blog pelo menos). Estou convencido de que não vou voltar a correr antes de 2010 (enquanto isso natação... mas a piscina aqui, veja só, fecha para o verão), mas quem sabe em setembro eu já possa caminhar sem dor após ficar de molho quase um mês e meio.

quinta-feira, 30 de julho de 2009

49

Essa é a versão curta, alguns detalhes ficaram de fora. A cola, por exemplo, era uma versão nova da super bonder que demora mais para secar. Quinze segundos que nada: "Feita para aqueles que não gostam de colas muito rápidas", dizia a embalagem. Da primeira vez esperei 15 minutos e ainda não estava seca. Esperei uma hora até colar, sem saber se ia poder tomar banho naquele dia...

quarta-feira, 29 de julho de 2009

Itália x França

Talvez seja só impressão, já que minhas origens italianas poderiam gerar um viés na minha percepção, mas eu me sinto mais em casa aqui na Itália do que na França, apesar de ter amigos franceses da minha idade e de falar francês melhor do que italiano.

Para exercitar minha capacidade de reconhecer diferenças culturais de forma objetiva, tentei elencar alguns elementos que diferenciam italianos de franceses e colocam os italianos mais próximos dos brasileiros.

* Valor dado ao carro: Na França tem muito carro batido, sujo por fora e por dentro, pequenos e econômicos. Já no país da Ferrari dá-se mais importância à "macchina" que a pessoa tem.

* Comida: A cozinha italiana é muito mais familiar para mim do que a francesa. Para começar, na Itália a pizza tem mozzarella, e na França eles colocam emmental (eu acho). Aliás, a pizza na França é horrível, ainda que possa competir com certas pizzarias a 10 reais do Butantã. Na Itália não se come macarrão sem molho (aberração francesa) e eu até encontrei feijão marrom já cozido em lata, só esquentar! Estou comendo mais parecido com como é no Brasil e, diga-se de passagem, muito melhor.

* Palavrões: Não sei se é uma característica da língua portuguesa ou do Brasil mesmo, mas somos bastante inventivos para palavrões e os usamos muito. Em francês você tem basicamente duas opções: "putain" e "merde". Outros palavrões são relativamente pesados, e são usados quando você realmente quer insultar alguém. Em italiano, assim como em português, não só a escolha é maior como cada palavrão admite suas variações, por exemplo o tradicional "cazzo" pode se transformar em cazzeto, cazzino, cazzone, cazzola ou até cazzerola, entre outros. Os ambientes não são comparáveis (escola/chão de fábrica), mas eu acho que em geral se usa mais palavrão aqui na Itália do que na França.

É, por enquanto não consegui colocar de forma clara mais do que esses três pontos. Que fique claro que eu não defendo uma em detrimento da outra, simplesmente a cultura italiana me é mais familiar.

Mas que a comida é melhor, é.

Amanhã tem a tirinha 7².

PS. Na foto estou montando a parte elétrica do que será uma catraca que reconhece um RFID.

terça-feira, 28 de julho de 2009

Trabalho


Ae, agora no estágio me colocaram em uma seção de montagem, onde tem trabalho para fazer. Fico descascando fios, parafusando, soldando, montando... Aí vai uma foto de uma das últimas coisas que eu montei hehehe!

(ok, outro dia eu posto uma foto do trabalho de verdade...)

segunda-feira, 27 de julho de 2009

Strip Crônicas número 48

Essa é a primeira parte da história do que se passou no dia em que eu cheguei aqui no apartamento que me emprestaram em Arluno.

É minha primeira tirinha feita no Gimp.

domingo, 26 de julho de 2009

Arluno


Olha só galera, fuçando aqui no equipamento que tinha dentro de uma salinha, com modens, hubs, vários cabos e equipamentos que eu nem sei para que servem, no fim das contas tem internet aqui em casa! Fiquei duas semanas sem internet por não ter tentado, até que um cara do trabalho me deu a dica, falou que talvez tivesse internet e era pra eu tentar.

A foto é a vista daqui do apartamento para essa pracinha da vila que é Arluno. O apartamento é da empresa, 240 metros quadrados (dois andares), mas completamente vazio. Como móveis tem duas camas de solteiro, um sofá na sala, um bidê e armários. Não tem nem mesa ou cadeiras. Mas tem um frigobar e fogão elétrico, um garfo, uma faca, uma colherzinha de café, duas chícaras e uma panela.

Bem agora vou tomar um banho e amanhã eu posto uma foto do meu trabalho ou algo assim.

sexta-feira, 17 de julho de 2009

E aí pessoal como vão?

Estou aqui fingindo que trabalho...

quarta-feira, 15 de julho de 2009

Terceiro dia


Sinto que minha presença como estagiário é completamente inútil na empresa. Eles não precisam de mim aqui. Não sabem o que dar para eu fazer.

Hoje de manhã passei a limpo um esquema de um circuito, que estava à mão meio porco. Como não tenho CAD, fiz com minha ferramenta preferida de desenho assistido por computador... MS paint (estou usando windows porque não sabiam configurar a rede no linux).

Ei-lo ao lado. Me disseram que vai para o manual. "Bussola" significa porta giratória em italiano.

quinta-feira, 9 de julho de 2009

Recado para mamãe

Estou indo para a Itália amanhã cedo para o estágio operário que vai durar um mês. Não como vai ser o acesso à internet, então se eu não postar nada aqui por muitos dias... é normal.

Selos brasileiros

Esses dias fui no correio buscar uma carta que veio do brasil para um amigo meu e fiquei tão emocionado com a beleza dos selos que decidi tirar uma foto para compartilhar com vocês aqui no blog. Clique na foto para ver maior!


O selo do sapateiro data de 2005, e traz uma magnífica visão artística de uma das profissões mais proeminentes da sociedade brasileira. O que seria do país sem o sapateiro? Está claro que os profissionais merecem esta homenagem na forma de 20 centavos.

Já para o selo de 1 real o artista decidiu reunir nos mesmos 2×2,5 centímetros dois elementos que já nasceram indissociáveis: o telegrama e o eletrocardiograma. Fico até sem palavras, afinal, quem nunca se emocionou ao receber um telegrama? Comunicação e emoção! Um elemento de atualidade retratado neste selo de 2009.

Os selos do Brasil dão de 10 a zero nos que eu vejo por aqui viu...